Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Publicado em 19/03/2019

Atualidades

30% das bolsas integrais do Prouni são oferecidas em SP; mensalidades vão de R$ 128 a R$ 10,5 mil

Programa do governo oferece bolsas de estudo de 50% e 100% em universidades privadas. Graduações em medicina lideram lista de cursos mais caros.


Bolsas do Prouni chegam a R$ 10,5 mil — Foto: Reprodução/RBS TV


O Programa Universidade Para Todos (Prouni) oferece, no primeiro semestre de 2019, mais de 116.800 bolsas de estudo integrais, que cobrem 100% da mensalidade de universidades privadas. Dessas, 29,73% são oferecidas em instituições de ensino no estado de São Paulo.


Analisando o preço de todos os cursos com vagas no Prouni, a capital paulista ocupa os dois extremos. Oferece tanto as bolsas de valor mais alto do país (R$ 10.493,28, em medicina, na Universidade Cidade de São Paulo), quanto mais baixo (R$ 128, em dezenas de curso não-presenciais da Universidade Nove de Julho).


Confira o ranking dos cinco cursos mais caros do Brasil que podem ser cursados gratuitamente no Prouni:


Sudeste concentra mais bolsas

Três dos quatro estados brasileiros com maior número absoluto de bolsas integrais do Prouni estão no Sudeste:


• São Paulo: 34.744 bolsas integrais

• Minas Gerais: 11.005 bolsas integrais

• Paraná: 8.630 bolsas integrais

• Rio de Janeiro: 7.882 bolsas integrais


O ranking muda se considerarmos a porcentagem que as bolsas integrais representam dentre os benefícios oferecidos em cada Estado. No Rio de Janeiro, no total de 7.882 bolsas, 81,88% são integrais e 18,12%, parciais (de 50% da mensalidade).


Em seguida, vêm Roraima (81,74% integrais e 18,26% parciais) e Amapá (81,59% integrais e 18,41% parciais).


O estado com menor parcela do benefício integral é o Maranhão (14,64% integrais 85,36% parciais).


Bolsas parciais em medicina

Em mais de 70 vagas do curso de medicina, estudantes com renda familiar per capita de até 3 salários mínimos (cerca de R$ 3 mil) precisarão pagar mais de R$ 4 mil por mês. Isso porque, com essa remuneração, eles só têm direito a bolsas de estudo parciais, que cobrem metade da mensalidade.


São graduações que custam de R$ 8.083,00 (Universidade de Franca, em SP) a R$ 10.493,28 (na Universidade Cidade de São Paulo). Ou seja: aqueles que forem selecionados para bolsas parciais e fizerem a matrícula terão de arcar com parcelas mais altas que a média salarial da família.


Quem pode participar

Pelas regras do Prouni, podem participar do programa os candidatos que tenham feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018, que não tenham um diploma de ensino superior. Também é preciso se enquadrar em um dos seguintes critérios de renda:


• Bolsas integrais: renda familiar bruta mensal per capita de até 1,5 salário mínimo

• Bolsas parciais: renda familiar bruta mensal per capita de até 3 salários mínimos


Além disso, é preciso se encaixar em pelo menos uma das seguintes situações:


1. ter cursado o ensino médio completamente em escola pública;

2. ter cursado o ensino médio completamente em escola privada, desde que na condição de bolsista integral;

3. ter cursado o ensino médio parcialmente em escola privada, desde que na condição de bolsista integral, e o restante em escola pública;

4. ter alguma deficiência;

5. ser professor do quadro permanente de uma escola pública (nesse caso, o critério de renda familiar não se aplica).


Cronograma

As inscrições para o Prouni do primeiro semestre já se encerraram - os resultados da lista de espera foram divulgados entre os dias 11 e 13 de março.


Se o mesmo esquema dos últimos anos se mantiver, um novo processo seletivo será feito no segundo semestre. Os prazos ainda não foram divulgados.

G1.globo.com