Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Publicado em 08/06/2018

Atualidades

EUA anunciam a transferência de 1,6 mil imigrantes para prisões federais

Mil serão transferidos para uma prisão em Los Angeles (Califórnia); os demais seguirão para presídios nos estados Texas, Oregon, Washington e Arizona.


EUA anunciam a transferência de imigrantes para prisões federais. (Imagem: AFP 2018 / JOSE CABEZAS)


O Governo dos Estados Unidos vai transferir cerca de 1,6 mil imigrantes ilegais para prisões federais por falta de espaço nos centros de detenção para imigrantes, informaram as autoridades imigração americanas.


O Serviço de Imigração e Alfândegas dos EUA (ICE) afirmou na quinta-feira (7) que o "atual aumento de cruzamentos de fronteiras ilegais e a implementação da política de tolerância zero do Departamento de Justiça" foram os causadores da falta de espaço.


"O ICE está trabalhando para atender a demanda adicional de espaço de detenção para imigrantes", explicou a porta-voz Danielle Bennett, em comunicado publicado pelos veículos de imprensa locais.


Ela disse que a reclusão de migrantes em prisões federais tem a previsão de ser "temporária", até que o ICE amplie sua capacidade com a abertura de novos centros de detenção ou até que diminua a onda de cruzamentos nas fronteiras.


1 mil dos 1,6 mil imigrantes ilegais serão transferidos para uma prisão em Los Angeles (Califórnia), enquanto o restante seguirá para presídios no Texas, Oregon, Washington e Arizona.


Estes detidos enfrentam uma possível deportação, embora ainda estejam esperando apresentar seus casos perante juízes de imigração.


No mês passado, os EUA detiveram mais de 50 mil imigrantes ilegais que cruzaram a fronteira sul com o México pelo terceiro mês consecutivo. Trata-se do número mais alto desde que Donald Trump assumiu o poder, quando reduziu drasticamente as chegadas.


Com o detidos em maio, praticamente triplicou o número dos detidos no mesmo mês do ano anterior.

EFE