Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Publicado em 09/11/2017

Palavra do Pastor

Multiplicando o Amor

Como vamos usar o social para o crescimento do Reino e a motivação ministerial para mulheres?


Os relacionamentos nos levam a comunhão.

Quando falamos de social, temos a ideia de gratuidade e de certa forma é mesmo, porém, alguém pagará um preço por isso. A definição de social é relacionamento entre indivíduos, abarcar relacionamentos, enfim, tudo o que diz respeito a um grupo de pessoas.

A Igreja é social, precisa ser. Os relacionamentos nos levam a comunhão e onde há comunhão, há também o partir do pão, e onde há partir do pão, há saciedade de algo físico de alguém. Quando Jesus disse: “Tive fome e me destes de comer, tive sede e me destes de beber” (Mateus 25.35), Ele estava dizendo: “Como meus embaixadores aqui na terra, a Igreja (eu, você e cada cristão) possui uma responsabilidade social.” 
Como Igreja de Jesus, somos chamados não apenas para desenvolver uma preocupação social ou prestar serviços sociais, mas chamados para uma ação social efetiva.

Temos que ser a Igreja que fale à alma, sem se esquecer do corpo e que cuide dos problemas sociais que afligem o homem, sem perder de vista a grave realidade espiritual que o escraviza.

A Igreja primitiva revela a nós como o Reino avançou, apenas porque tinham tudo em comum e compartilhavam tudo.

Nos dias atuais, o consumismo e a busca desenfreada pelo prazer de ter, de satisfazer nossos desejos e vontades, tem feito com que venhamos esquecer esse simples e básico princípio.

Não adianta eu dizer a alguém que Jesus é o Pão da Vida se ela não come há dias. Digo a ela essa verdade, mas sacio também sua necessidade física. Só assim estaremos cumprindo o maior mandamento de Jesus, amando o outro como a nós mesmos.

O livro de Atos 2.42-47 nos mostra que esse é o segredo para o crescimento da Igreja, porque nos diz que todos os dias Deus acrescentava a Igreja os que se haviam de salvar.

Isso é nada mais nada menos que um ato de compaixão e de amor. A Igreja cresce, os ministérios se multiplicam e nós ensinamos as gerações futuras que o que realmente importa é o que o outro é e não o que ele tem.

Nós mulheres temos um potencial fantástico na área do social, pois somos mais sensíveis e observadoras, isso torna mais fácil o início de um ministério.

Eu encorajo você, mulher, a iniciar um grande e lindo ministério, começando simplesmente ouvindo alguém, buscando saber qual a necessidade física, espiritual e emocional dessa pessoa e buscando suprir essa necessidade física. Deus cuidará das outras e o retorno será surpreendente.

É muito gratificante abençoar alguém, os benefícios veem, as coisas fluem, as pessoas se sentem motivadas e impulsionadas a abençoar também.

Assim, essa corrente de amor só tende a crescer e a multiplicar, porque começamos a influenciar e a encorajar outras mulheres a fazerem o mesmo e Deus acrescentará a Igreja as almas que irão se salvar.

Nem todos os ministérios começam num púlpito, mas todos devem terminar no altar.

No antigo testamento, a viúva que alimentou o profeta, tinha uma necessidade física, mas ela não hesitou ao ouvir sua voz e com o pouco que tinha, alimentou o servo de Deus. Por causa disto, ele saciou a fome e a necessidade dela por muito tempo.

Nunca conseguiremos vencer a Deus quando se trata de dar, mas devemos seguir suas ordenanças e ensinamentos, e assim seremos igualmente recompensados por Ele: “Dai e ser-vos-á dado” (Lucas 6.38).

Pastora Alessandra Rabelo

Coordenadora do Projeto Margarida