Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Publicado em 07/03/2017

Atualidades

Brasil: Campeão Mundial do Transtorno de Ansiedade

Isso significa que 18,6 milhões de brasileiros apresentaram alguma forma de transtorno de ansiedade


Brasil é o país do mundo com o maior número de pessoas com Transtorno de Ansiedade


A Organização Mundial de Saúde (OMS) acaba de divulgar que o Brasil é o país do mundo com o maior número de pessoas com Transtorno de Ansiedade. Isso significa que 18,6 milhões de brasileiros apresentaram alguma forma de transtorno de ansiedade em 2015.


Mas não é só isso: estamos em quinto lugar no ranking da OMS quando o assunto é depressão. Exatamente assim: 11,5 milhões de brasileiros têm depressão.


Somos ansiosos e deprimidos. Por que? Quais as causas que deixam os brasileiros ansiosos e deprimidos? Esta é uma questão complexa, e estudos mais profundos na área da psicologia ou da sociologia poderiam nos responder. Vale pensar e tentar elaborar as razões que nos tornam, ao mesmo tempo, tão felizes e alegres e, por outro lado, tão ansiosos e deprimidos.


A ansiedade decorre do medo, do desconforto e da insegurança ante a possibilidade de qualquer situação como, para citar apenas alguns exemplos, um emprego novo, uma prova, uma viagem ou um encontro especial. O desconforto e a preocupação ganham uma intensidade tal que surgem sintomas físicos como aumento da frequência cardíaca e respiratória, sensação de desmaio, suor frio, irritabilidade, dificuldade de concentração e tensão muscular. O sono pode ficar prejudicado e isso dificulta mais ainda a realização das atividades diárias potencializando um ciclo que tende a crescer e que torna a existência desconfortável e sofrida. Não é fácil.


A boa notícia é que existe tratamento. A ansiedade é um transtorno bastante estudado nos dias de hoje, posto que os mesmos dados da OMS apontaram que há no mundo aproximadamente 324 milhões de pessoas com transtorno de ansiedade. Por isso, se você se entender uma destas pessoas que se enquadra nesta estatística procure um profissional especializado para te ajudar. Pode ser um psicólogo ou um psiquiatra.

g1.globo.com

Dra. Ana Escobar